O Primeiro Ministro, Morgan Tsvangirai falou contra a homossexualidade e disse que o casamento é apenas entre um homem e uma mulher.

Tsvangirai estava a falar numa reunião em Harare ontem à noite, quando denunciou a homossexualidade e disse que os casamentos deveriam ser entre um homem e uma mulher, relata o The Herald.

'No projeto de Constituição, dissemos que o casamento é entre um homem e uma mulher e aqueles que quiserem casar com alguém do mesmo sexo, vão ter problemas. Por que é que um homem quer dormir com outro homem?'

(LEIA: Political Machinations Seen In Zimbabwe Explicitly Ban On Same Sex Marriages) [Link "Maquinações Políticas Verificadas no Zimbabwe Proíbem Explicitamente Casamentos entre Pessoas do Mesmo Sexo]

Os comentários seguem-se quando o Zimbabwe se prepara para realizar um referendo nacional sobre o seu projeto de Cosntituição. Os boletins de votos estão a ser impressos e as mesas de voto estão preparadas para o referendo do país, no próximo sábado.

Os comentários do Primeiro Ministro Tsvangirai assinalam um distanciamento dos seus sentimentos prévios, especialmente à comunicação social estrangeira, em que parecia que ele tinha abertura para os direitos dos gays, o oposto de Robert Mugabe, que tem denunciado publicamente a homossexualidade.

O projeto de Constituição torna ilegal explicitamente os casamentos entre pessoas do mesmo sexo, com muitos ativistas LGBT  a preocuparem-se com o facto de tal poder ser usado para reprimir ainda mais as suas atividades.

(LEIA: Passage Of Constitution Will Be Bad News, LGBT Activists Say) [Aprovação da Constituição Serão Más Notícias Dizem Ativistas LGBT]

O governo de coligação do Zimbabwe foi formado em 2009, depois das tão contestadas eleições presidenciais um ano antes.

O Robert Mugabe é o presidente, ao passo que o Morgan Tsvangirai é o Primeiro Ministro. Mas é o partido de Mugabe que detém o controlo, e, embora o partido de Tsvangirai, o MDC (Movimento para Mudança Democrática), tente fazer com que as suas políticas sejam aprovadas, nem sempre tem tido êxito.

Subscribe to our newsletters

Get updates on LGBTI rights issues, and on our work to support LGBTI civil society worldwide