Home, Asia, Europe, North America, Latin America and Caribbean, Oceania, Notícias, Mapa do site
lendo mapa..

BRAZIL

Relações entre homens: Legal
Punição para relações entre homens: Não há nenhuma lei
Relações entre mulheres: Legal
Idade de consentimento: Igual para heterossexuais e homossexuais
Casamento civil e substitutos de casamento: Substituto igual ou quase igual ao casamento e reconhecido a nível nacional

Your Views

Você é LGBTI? Queremos sua(s) opiniões! Ajude-nos a informar outros usuários com sua opinião acerca deste país. Segue abaixo uma pergunta aleatória sobre este país. Caso a considere relevante, por favor, responda.

Já sofreu preconceito (transfobia) de seu serviço de saúde?

A maioria dos visitantes deste site disseram Não

Sim, foi-me difícil encontrar atendimento médico (11%) Sim, mas tive opção de outro atendimento de saúde (11%) Não (77%)

A seção de experiência vivida é toda sobre você! Compreendemos que a realidade de um país pode ser muito diferente das leis existentes em tal país e que as pessoas que lá vivem podem dar um retrato melhor disso através de suas próprias experiências. Nesta página você encontrará experiências vividas por leitores e adicionar sua própria.

SUAS HISTÓRIAS
Publique / adicione uma nova história a esta seção

Experiências do Leitores

Isto é o que as pessoas dizem acerca da realidade de vida para pessoas LGBTI neste país ( BRAZIL )...
Wilton (actualmente vive em BRAZIL) postado por gay leitores on 04/02/2010 tagged with direitos humanos, orientação sexual, forças armadas +15
link / elo permanente
Não queremos homofobia no Brasil
Wilton Garcia

Hoje, mandei um email para o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) eduardo.suplicy@senador.gov.br, porque estou indignado com a desagradável declaração do general Raymundo Nonato de Cerqueira Filho contra homossexuais assumidos nas Forças Armadas Brasileiras. Essa radicalidade do general demonstra preconceito e discriminação!

Ontem, ele foi ao senado, por ser indicado para ocupar uma vaga de ministro do Superior Tribunal Militar (STM), e ao ser sabatinado disse que a tropa não obedeceria a um militar homossexual. Também, fiquei bastante desapontado com a postura dos Senadores, que não se manifestaram contra.

A sociedade brasileira – sobretudo a comunidade LGBT – precisa gritar em todos os cantos do país contra esta difamação e desrespeito. Vamos mostrar que somos muitos e temos Direitos. Nossa disposição é maior quando enfrentamos o mundo! Mais que isso, trabalhamos e defendemos este país com qualidade, sobre o ideal da promoção de valores humanos.

Se fosse assim, nenhum homossexual neste país conseguiria alavancar projetos ou qualquer outra atividade. Não somos desqualificados, pelo contrário, honramos dignamente nossas profissões com responsabilidade e vigor necessários aos desempenhos. E se, por acaso, algum gay escolher ser da Força Militar, certamente ele terá orgulho e ética de seu papel profissional.

Por isso mesmo, devemos protestar. Viva a diversidade.
Não queremos homofobia no Brasil!

Tal acusação contra homossexuais não ajuda em nada.
Um representante do Superior Tribunal Militar deve ser alguém com capacidade intelectual e discernimento da vida, para dialogar com a sociedade. Este general deveria ter preocupação com a desigualdade social e o desenvolvimento humano – longe de posturas conservadoras e ultrapassadas.

Este é um país democrático e não é possível admitir ou aceitar tal injúria. Portanto, é preciso protestar!
Não queremos homofobia no Brasil!

Wilton Garcia é doutor em comunicação pela ECA/USP e integrante do PEDHS-USP.
Comente a história
Wilton (actualmente vive em BRAZIL) postado por gay leitores on 04/02/2010 tagged with direitos humanos, orientação sexual, forças armadas +15
link / elo permanente
Não queremos homofobia no Brasil
Wilton Garcia

Hoje, mandei um email para o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) eduardo.suplicy@senador.gov.br, porque estou indignado com a desagradável declaração do general Raymundo Nonato de Cerqueira Filho contra homossexuais assumidos nas Forças Armadas Brasileiras. Essa radicalidade do general demonstra preconceito e discriminação!

Ontem, ele foi ao senado, por ser indicado para ocupar uma vaga de ministro do Superior Tribunal Militar (STM), e ao ser sabatinado disse que a tropa não obedeceria a um militar homossexual. Também, fiquei bastante desapontado com a postura dos Senadores, que não se manifestaram contra.

A sociedade brasileira – sobretudo a comunidade LGBT – precisa gritar em todos os cantos do país contra esta difamação e desrespeito. Vamos mostrar que somos muitos e temos Direitos. Nossa disposição é maior quando enfrentamos o mundo! Mais que isso, trabalhamos e defendemos este país com qualidade, sobre o ideal da promoção de valores humanos.

Se fosse assim, nenhum homossexual neste país conseguiria alavancar projetos ou qualquer outra atividade. Não somos desqualificados, pelo contrário, honramos dignamente nossas profissões com responsabilidade e vigor necessários aos desempenhos. E se, por acaso, algum gay escolher ser da Força Militar, certamente ele terá orgulho e ética de seu papel profissional.

Por isso mesmo, devemos protestar. Viva a diversidade.
Não queremos homofobia no Brasil!

Tal acusação contra homossexuais não ajuda em nada.
Um representante do Superior Tribunal Militar deve ser alguém com capacidade intelectual e discernimento da vida, para dialogar com a sociedade. Este general deveria ter preocupação com a desigualdade social e o desenvolvimento humano – longe de posturas conservadoras e ultrapassadas.

Este é um país democrático e não é possível admitir ou aceitar tal injúria. Portanto, é preciso protestar!
Não queremos homofobia no Brasil!

Wilton Garcia é doutor em comunicação pela ECA/USP e integrante do PEDHS-USP.
Comente a história
Comente a história
Bookmark and Share