Home, Asia, Europe, North America, Latin America and Caribbean, Oceania, Notícias, Mapa do site



PT
Início / América Latina E Caribe / Brazil / Articles / Jovem de 18 anos é espancado até a morte próximo à região frequenta por gays em São Paulo
lendo mapa..

Contribuidores

ILGA Leandro Fogliatti, ILGA

Facebook

marcado com: homofobia / crimenes de odio
Jovem de 18 anos é espancado até a morte próximo à região frequenta por gays em São Paulo

in BRAZIL, 27/01/2014

No sábado (25), o jovem Bruno Borges de Oliveira, de 18 anos, resolveu sair com os amigos para beber na Rua Augusta, próximo à Frei Caneca, ambiente frequentado em sua maioria por gays e lésbicas. Já na manhã de domingo (26), por volta das 6h40, os três amigos caminhavam pela Rua Herculano de Freitas quando foram abordados por um grupo de 6 homens. Os dois colegas conseguiram fugir, Bruno não.

O jovem foi espancado até a morte em troca de um aparelho de celular, um bilhete único e o par de tênis. Segundo os amigos, eles pararam para urinar perto de uma árvore quando foram surpreendidos pelo grupo.

Após o ocorrido, os amigos de Bruno voltaram ao local para socorrer o jovem, que já estava morto.

A polícia investiga o caso como latrocínio. No entanto, nas redes sociais, ativistas dos direitos LGBT questionam a crueldade do crime, já que Bruno sofreu “traumatismo encéfalo craniano” por conta de seguidas agressões na cabeça.

“Homofobia?”, questionam os ativistas, já que foram levados da vítima um celular “velho” e o tênis “All Star, igualmente velhos”. Sem contar que o jovem foi espancado por um grupo de 6 homens.

“Esse crime foi claramente fruto de homofobia, e fechar os olhos para esse fato é ser cúmplice do descaso dos governantes com os direitos LGBT”, aponta um dos textos publicado na página da vítima, no Facebook.

Até o momento, nenhum dos agressores de Bruno Borges de Oliveira foi identificado pela polícia. O caso foi registrado no 78º DP, no bairro dos Jardins.

Na semana passada, Kaique Augusto dos Santos, de 16 anos, foi encontrado morto sob o Viaduto Nove de Julho. No primeiro momento, a família questionou a investigação da polícia como suícidio já que o adolescente estava com sinais aparentemente de tortura.

No entanto, depois da grande repercussão do caso, a mãe de Kaique, Isabel Cristina Batista, veio a público declarar que acreditava, realmente, no suícidio do jovem.

Bookmark and Share