Home, Asia, Europe, North America, Latin America and Caribbean, Oceania, Notícias, Mapa do site
Início / Articles (WORLD) / Um novo papa, mas nada de novo para os direitos das pessoas LGBTI a partir do Vaticano
lendo mapa..

Contribuidores

ILGA Programmes Officer Stephen Barris, ILGA Programmes Officer
anonymous contributorPublicado anonimamente. (Francês)
anonymous contributorPublicado anonimamente. (Espanhol)
anonymous contributorPublicado anonimamente. (Português)

Facebook

Um novo papa, mas nada de novo para os direitos das pessoas LGBTI a partir do Vaticano

in WORLD, 14/03/2013

Se bem que, num mundo normal, a eleição de um papa devesse interessar apenas as pessoas que seguem os ensinamentos da religião católica, a influência que a Igreja Católica Romana tem sobre muitos governos e autoridades que regem a vida, tanto de católicos como de não-católicos, justifica a atenção dos ativistas e organizações LGBTI na maioria dos países do mundo em relação à eleição de Francisco I.

Por muito de novo que a eleição do cardeal Bergoglio represente para a Igreja Católica (o primeiro da América Latina, o primeiro jesuíta, o primeiro a adotar o nome de Francisco), pouquíssimo vai mudar no que se refere à posição das hierarquias do Vaticano sobre orientação sexual e identidade de género. A oposição feroz de Bergoglio às leis argentinas sobre o matrimónio homossexual e a identidade de género não deixa muito espaço para a esperança ― apesar de o movimento LGBTI ter tido consciência, desde o começo do conclave, de que nenhum dos «papáveis» poderia ser realmente considerado como um potencial líder progressista da igreja católica romana. Todavia, se o novo papa está realmente empenhado na luta contra a injustiça da pobreza, então também deveria dar-se conta de que as pessoas marginalizadas por motivo da sua orientação sexual ou da sua identidade de género acabam no mesmo círculo de pobreza e exclusão social como os demais.

Ativistas e organizações LGBTI laicas, que não querem que entidades religiosas interfiram com o usufruto dos seus direitos humanos, e ativistas e organizações LGBTI religiosas, que procuram mudar a estrutura opressiva das suas igrejas a partir do interior, terão de unir forças numa nova luta pela libertação de lésbicas, gays, bissexuais e pessoas transexuais e intersexuais, independentemente da sua fé (ou da ausência dela).

Gloria Careaga e Renato Sabbadini
Co-Secretários Gerais da ILGA

Bookmark and Share