Home, Asia, Europe, North America, Latin America and Caribbean, Oceania, Notícias, Mapa do site
Início / Articles (WORLD) / Coalizão Internacional de cidades contra a homofobia e a transfobia criam uma corrente de solidariedade
lendo mapa..

Contribuidores

ILGA-ASIA Jennifer Josef, ILGA-ASIA
anonymous contributorPublicado anonimamente. (Francês)
anonymous contributorPublicado anonimamente. (Espanhol)
anonymous contributorPublicado anonimamente. (Português)

Facebook

Yves Matteis, Geneva Municipal Councilor
Coalizão Internacional de cidades contra a homofobia e a transfobia criam uma corrente de solidariedade

in WORLD, 21/06/2011

Painel da ILGA no Conselho de Direitos Humanos da ONU. 7 de junho de 2011. “O Crescente Consenso dos governos rumo ao fim da criminalização baseada na orientação sexual e identidade de gênero.” Por Yves de Matteis, membro do Parlamento da Cidade de Genebra.

Inicialmente, quero agradecer à ILGA e aos muitos copatrocinadores por viabilizarem a realização desse painel e agradecer à plateia por sua presença.

Ontem, após ser empossado para um novo mandato como membro do conselho municipal da cidade de Genebra, refleti um pouco sobre o tema do painel de hoje. Qual o significado de “O Crescente Consenso dos governos rumo ao fim da criminalização baseada na orientação sexual e identidade de gênero.” E olhei à minha volta.
Olhei em volta e vi Catherine Gaillard, Presidente da “Lestime”, a associação lésbica de Genebra e a primeira lésbica assumida a ser eleita presidente da câmara municipal; vi Jean-Paul Guisan, secretário da organização gay nacional e eleito membro do conselho municipal no parlamento; e eu vi e me lembrei de muitos outros gays, lésbicas, bissexuais ou transexuais, ativistas ou não, que fizeram com que as coisas progredissem, em todos os níveis, aqui na Suíça e em outros lugares.

Lembrei-me, então, de 1994 (há 17 anos, portanto), quando ativistas LGBTI falaram pela primeira vez nas Nações Unidas, na mesma sala, perto daqui, onde o Conselho de Direitos Humanos está reunido hoje. Douglas Sanders, Giselda Fernandes e alguns outros. Eu fazia parte do grupo e posso garantir que todos se voltavam à simples menção de palavras como “gay”, “lésbica’, “bissexual” ou “transexual”, para ver quem eram aquelas pessoas que ousavam se manifestar.
Desde então, evidentemente, outros ativistas, vindos de lugares menos seguros têm se manifestado. Alguns deles morreram. Como David Kato, de Uganda, Noxolo Nogwasa, da África do Sul e Fanyann Viola Eddy, de Serra Leoa. Mais recentemente, aqui em Genebra, a ativista lésbica Kasha Jacqueline Nabagesera acabou de receber o Prêmio Martin Ennals por suas conquistas no campo dos direitos LGBTI.

Hoje, olho à minha volta e vejo ainda mais motivos para acreditar que se há um consenso crescente entre os governos em todo o mundo em relação aos direitos LGBTI, é porque ativistas têm trabalhado, se manifestado, para refirmar que se os direitos humanos são universais, indivisíveis, interdependentes e inter-relacionados, então eles também têm de incluir os direitos das pessoas discriminadas com base em sua orientação sexual ou identidade de gênero.

Numa outra escala, mas também como uma forma de homenagem a todos aqueles ativistas, em novembro passado, o Parlamento da Cidade de Genebra aprovou, por unanimidade, uma moção para criar uma Coalizão internacional de cidades contra a homofobia e a transfobia.   O propósito dessa moção, que eu redigi juntamente com minha colega Ariane Arlotti, é tentar estabelecer uma corrente de solidariedade de uma cidade à outra, para combater a discriminação baseada na orientação sexual e identidade de gênero.

Esta coalizão poderia tomar várias atitudes – e eu digo “poderia” porque ainda não sabemos que escolhas serão feitas, uma vez que caberá às cidades-membros decidir:
as cidades que integram essa coalizão poderiam compartilhar as boas iniciativas, como já ocorre em vários fóruns na Europa e em outros lugares;
a Coalizão poderia apoiar organizações ou financiar projetos, especialmente nas regiões do mundo onde esse apoio for mais necessário;
a Coalizão também poderia criar seu próprio “prêmio”, a ser concedido a pessoas ou organizações que militam na área;
a Coalizão poderia ter um escritório que, caso se localize em Genebra, poderia recepcionar e dar suporte a delegados LGBTI que venham à cidade em diversas ocasiões;
por último, mas nem por isso menos importante, as cidades-membros da coalizão poderiam incentivar seus governos a apoiarem futuras iniciativas, como a declaração conjunta assinada em março deste ano.
Assim, um dos meus desejos é voltar a essa sala daqui a alguns anos com notícias de avanços nessas questões.
Obrigado pela atenção.
Yves de Matteis

Yves de Matteis é Conselheiro Municipal da cidade de Genebra pelo Partido Verde. Participou da fundação de várias organizações LGBTI, foi membro da Diretoria da ILGA e Co-Presidente, até março passado, da organização LGBT suíça “Pink Cross”.

Tradução do Inglês: Priscila Galvão

 

Para versões em inglês, espanhol e francês: clicar no símbolo referente ao idioma desejado, à esquerda da tela.
 


 

Bookmark and Share