Home, Asia, Europe, North America, Latin America and Caribbean, Oceania, Notícias, Mapa do site
EN


PT
Início / África / Burundi / Articles / COMO LÍDERES RELIGIOSOS ALIMENTAM A HOMOFOBIA EM BURUNDI
lendo mapa..

Contribuidores

Charge de Communication Pan Africa ILGA Stephane Tchakam, Charge de Communication Pan Africa ILGA
anonymous contributorPublicado anonimamente. (Português)

Facebook

Por favor tenha em conta que isto é uma tradução, como tal pode haver algumas pequenas diferenças. Melhore esta tradução
marcado com: religião e homofobia
COMO LÍDERES RELIGIOSOS ALIMENTAM A HOMOFOBIA EM BURUNDI

in BURUNDI, /201

Líderes religiosos e organizações têm alimentado grandemente a homofobia em Burundi. Estas foram as conclusões de uma relatório intitulado Religião e homofobia, lançado recentemente pelo Movimento pelas Liberdades Individuais (MOLI), uma organização LGBTI - lésbicas, gays, bissexuais, trnasexuais e intersexos - em Burundi

O relatório afirma que os líderes religiosos, por proferirem discurso de ódio contra os homossexuais e por descreverem a homossexualidade com palavras como "práticas ignóbeis", "anomalia" ou "práticas contra a natureza", têm intencionalmente "contribuído para alimentar a homofobia em um país onde os homossexuais ainda batalham para viver em paz com suas famílias e com a comunidade em geral, devido a não aceitação e discriminação".

A fim de avaliar o papel desempenhado por grupos religiosos quando o projeto de lei anti-homossexualidade foi proposto e promulgado, a MOLI entrevistou líderes e um deles, Monsenhor Justin Nzoyisaba, da Igreja Metodista Unida, foi citado no relatório dizendo que "a homossexualidade é realmente uma doença, um vício introduzido na África pelos ocidentais."

Sobre o apoio de Desmond Tutu à luta das pessoas LGBTI e direitos, Nzoyisaba disse que "os Sul-africanos são como os Europeus. Eles chegaram a uma fase negativa do desenvolvimento, porque eles estão se desviando dos valores morais bíblicos e africanos."

Monsenhor Eli Buconyori, bispo da Igreja Metodista Livre do Burundi, salientou que "Depende do que ele próprio, o Tutu, faz", e ele acredita que "a homossexualidade é uma doença espiritual".

Em março de 2009, durante o dia nacional de protesto contra a homossexualidade organizado pelo partido governista, o Conselho Nacional para a Defesa da Democracia, a Conferência dos Bispos do Burundi divulgou um comunicado no qual denunciou "aqueles que defendem 'tal prática', sob o pretexto de que a homossexualidade pode ser congênita".

A declaração em seguida convocou as pessoas a "não promover a homossexualidade sob o pretexto de respeitar a dignidade das pessoas e da liberdade".

Um membro da Igreja Bom Pastor, explicou que "as Escrituras são muito claras sobre quais relações são aceitáveis. Deus criou um homem e uma mulher para ficarem juntos. Mesmo que as relações homossexuais existam, não têm objetivo porque o objetivo principal de um casal é procriar. Práticas homossexuais são, portanto, contra a natureza e não-bíblicas. "

Enquanto isso, um jovem muçulmano afirmou que a homossexualidade é "uma doença que se adquire entre os 2 e 4 anos de idade".

Ele disse que as mães normalmente sabem se seus filhos têm tendências homossexuais ou não, e que elas devem levá-los à atenção de líderes religiosos para que os filhos sejam bem cuidados".

Para Christian Rumu, Diretor Executivo da MOLI, isso não é surpreendente.

"Mais de 98% dos Burundianos são crentes, e a maioria deles são pessoas da área rural com pouca escolaridade. Isso geralmente leva a interpretações sem fundamento das escrituras e uma fé cega no que os líderes religiosos dizem."

"Quando a lei anti-homossexualidade foi proposta, os líderes religiosos lucraram com a situação e incentivaram o governo a manter a disposição que criminaliza a homossexualidade."

Rumu prometeu que a MOLI vai desafiar a seção 567 do código penal que criminaliza a homossexualidade.

"É importante retirar essa disposição do código penal para evitar a perda de segurança e proteção para as pessoas LGBTI. Vamos contestar esta lei perante o tribunal constitucional ", explica ele.

Ele acrescentou: "Estamos trabalhando estreitamente com organizações como a Human Rights Watch, Ligue Iteka e Advogados Sem Fronteiras. Temos também o apoio de várias embaixadas européias. Vamos começar a nossa campanha em janeiro de 2011. "

"O que é mais difícil para nós é encontrar líderes dispostos a dialogar. As coisas estão se movendo lentamente, mas em breve iniciarem o debate entre a sociedade civil e os líderes religiosos sobre a questão da homossexualidade ", concluiu.

O Movimento pelas Liberdades Individuais (MOLI) é uma organização que visa promover os direitos das pessoas LGBTI no Burundi e na região dos Grandes Lagos. Eles se concentram em treinamentos, campanhas educativas e de conscientização sobre os direitos e a saúde das pessoas LGBTI.

Seu próximo relatório incidirá sobre a violência contra os homossexuais dentro do círculo familiar.

 

Bookmark and Share